Os tambores de guerra de preços entre as companhias de transporte marítimo de contentores estão de novo a rufar, ameaçando a disciplina na oferta e nos fretes observada desde o fim da Hanjin Shipping, há cerca de um ano, alerta a Alphaliner no seu mais recente relatório semanal.

OOCL Germany

Os analistas da consultora observam que demorou um ano para liberar completamente a tonelagem do extinto transportador sul-coreano. Apenas um único navio anteriormente operado pela Hanjin permanece inactivo: o Orion, porta-contentores de 1 647 TEU propriedade da Alpha Ship.

“A rápida redução da frota inactiva desde Abril e as entregas continuadas de navios ULCS, com capacidade entre 14 000-21 000 TEU, adicionaram mais de um milhão de TEU à frota activa desde Setembro do ano passado”, indicam desde a Alphaliner.

Embora a forte procura tenha mantido os níveis de utilização da frota acima de 90% na maioria das rotas este ano, espera-se que o início, em Outubro, da temporada baixa de Inverno pressione os preços médios dos fretes, avisa a Alphaliner.

“A trégua de preços dos fretes que as operadoras têm amplamente respeitado desde a saída súbita de Hanjin há um ano, parece estar agora a desmoronar-se. Os cortes nos preços imediatamente antes das férias de Outubro na China indiciam ainda mais a instabilidade, já que as transportadoras continuam a empurrar-se por quota de mercado”, refere o relatório semanal da consultora.

O Shanghai Containerized Freight Index (SCFI) registou seis semanas consecutivas de declínio e, apesar da forte procura da temporada alta, as companhias não conseguiram aumentar os preços médios dos fretes em Agosto e início de Setembro, algo que a Alphaliner descreveu como um “sinal claro” de que a baixa de preços estará para vir de novo.

 

 

Os comentários estão encerrados.