O comércio externo e o PIB do Brasil só deverão recuperar para os níveis pré-crise de 2015 a partir de 2020, antecipa António Dominguez, o responsável pelas operações na Costa Este da América do Sul na Maersk Line. A perspectiva é coerente com os dados da IHS Markit.

Terminais de contentores - Tecon Rio Grande

“Há muitos sinais positivos na economia brasileira, mas acreditamos que teremos de esperar até 2020 para ver uma retoma para os níveis pré-crise de 2015 do volume de negócios global com o Brasil”, afirma Dominguez, citado num relatório da Maersk.

“Alguns desses bons sinais incluem a afirmação dos nossos clientes de que estão confiantes de que os seus negócios vão crescer 20% este ano. Além disso, os fabricantes de automóveis estão optimistas e esperam produzir entre 2,4 ou 2,5 milhões de veículos este ano no Brasil, acima dos 2,2 milhões do ano passado”, acrescenta.

O ponto de vista da Maersk é coerente com os dados da IHS Markit, que apontam para que o PIB do Brasil só recupere para níveis comparáveis a 2014 depois de 2020. Embora a economia brasileira esteja, tecnicamente, fora da recessão, o crescimento no primeiro trimestre foi, segundo a consultora, desequilibrado: as exportações cresceram, mas o consumo privado, o investimento e os gastos públicos diminuíram.

A IHS Markit espera uma correcção no segundo trimestre e que o PIB caia 0,6% antes de retomar o crescimento no terceiro trimestre. O PIB crescerá 0,2% em todo o ano, prevê a consultora.

A mesma fonte indica que o transporte marítimo de contentores no Brasil cresceu 5,8% no primeiro trimestre face ao período homólogo de 2016, para 1,3 milhões de TEU. Este desempenho marcou o segundo trimestre consecutivo do crescimento homólogo, após 15 trimestres seguidos de queda do volume de contentores.

As importações foram o motor daquele crescimento, aumentando 14%, para 467 000 TEU, ao passo que as exportações ficaram em linha com o primeiro trimestre do ano passado (+0,1%), para 560 mil TEU. A realçar o quão longe está o comércio brasileiro da recuperação, os volumes de importações no primeiro trimestre ainda foram 21% inferiores aos do mesmo período de 2015, indica a IHS Media.

 

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Pode usar estas etiquetas HTML e atributos: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>