Apesar de ter regressado aos lucros no segundo trimestre, a Maersk Line vai perder peso na política de investimentos do grupo A.P. Moller-Maersk. Por causa da volatilidade do sector.

Apostado em atingir uma rendibilidade dos capitais investidos acima dos 10% num horizonte de cinco anos, o grupo dinamarquês dará prioridade aos investimentos nas outras áreas de negócio – Maersk Oil, APM Terminals e Maersk Drilling – com maior potencial de crescimento e mais estáveis.

Actualmente a Maersk Line absorve cerca de 38% dos investimentos de capital do grupo. A intenção é reduzir esse peso específico para a casa dos 25-30%. Porque o transporte marítimo de contentores continuará a ser um negócio muito volátil, em parte por causa do excesso de capacidade que se deverá manter por alguns anos ainda, consideram os responsáveis da A.P. Moller-Maersk.

O grupo não descarta participar num eventual processo de consolidação do sector, mas por ora isso não representa uma prioridade, acrescentaram os mesmos responsáveis, citados pela “Reuters”.

No ano passado, o negócio do transporte marítimo de contentores representou um prejuízo de 600 milhões de dólares, enquanto a Maersk Oil lucrou 2,1 mil milhões e a APM Terminals e a Maersk Drilling lucraram 600 milhões e 500 milhões, respectivamente.

A nova política de investimentos do grupo dinamarquês foi apresentada no primeiro Dia do Investidor da história do grupo, longa de 108 anos.

 

Os comentários estão encerrados.