Dez anos volvidos sobre a rejeição do Atlântida, os Açores ainda não conseguiram comprar novos ro-ro para a Atlânticoline. Agora há um novo concurso.

Já foi publicado em Diário da República o anúncio do concurso público para a concepção e construção de um navio ro-ro para a Atlântico, num investimento previsto de 48 milhões de euros.

Mantém-se a intenção de ter uma embarcação com capacidade para transportaar 650 passageiros e 150 viaturas.

O vencedor do procedimento terá 580 dias para entregar o navio à Atlânticoline.

O concurso agora lançado acontece porque o anterior, promovido no ano passado, ter sido anulado por nenhum dos três concorrentes ter cumprido as normas previstas no caderno de encargos.

Há já uma década que o Governo dos Açores tenta resolver o problema da falta de dois navios ro-ro para a região. Há dez anos, a Atlânticoline tinha encomendados dois navios aos ENVC, mas rejeitou o primeiro – o Atlântida – por não atingir a velocidade pretendida e o segundo – o Anticiclone – não passou dos blocos de aço.

A perda do contrato foi mais uma machadada para o fim dos estaleiros de Viana do Castelo. Já a compra e venda do Atlântida gerou uma interessante mais-valia para a Mystic River de Mário Ferreira. E a Atlânticoline, pelo que se vê, continua sem os desejados navios.

 

Os comentários estão encerrados.