A Companhia Marítima Hispano-Francesa (CMHF) tem quase tudo pronto para arrancar com a operação da AEM Vigo-Nantes St. Nazaire. Falta apresentar o dossier a Bruxelas.

O serviço arrancará com quatro ligações em ambos os sentidos e será alavancado pelo transporte de automóveis novos e componentes entre as fábricas instaladas na região de Vigo e o mercado francês. Mas os promotores pretendem igualmente captar outros tráfegos, nomeadamente os relacionados com as indústrias da madeira e dos granitos.

Os promotores pretendem candidatar a AEM ao programa comunitário Marco Polo. As novas regras da chamada de 2011, que impõem a utilização de navios movidos a gás natural, são consideradas uma oportunidade, dada a existência de uma “fábrica” de gás natural em Saint Nazaire. A maioria dos navios da AEM, se não mesmo a totalidade, utilizará aquele combustível alternativo.

A AEM Vigo-Nantes é um dos dois projectos de AEM escolhidos no concurso conjunto promovido pelos governos de Espanha e França, e como tal tem garantido um apoio de 30 milhões de euros.

O projecto inicial foi apresentado pela Trasmediterránea. Mas o armador do grupo Acciona não avançou – até porque entretanto perdeu os tráfegos da Renault de Vigo -, optando por trespassar o serviço à CMFH.

Os responsáveis do porto de Vigo, que desde a primeira hora investiram muito nesta AEM, sublinham a sua importância para todo o Noroeste peninsular, seguramente com os olhos postos também nas cargas com origem/destino no Norte de Portugal.

Comments are closed.