Para o ministro das Infraestruturas, o aeroporto do Montijo “é crítico” para Portugal, e não há o “direito de continuar a adiar o desenvolvimento do país”.

“Para um país periférico como Portugal o investimento aeroportuário, o novo aeroporto na região de Lisboa, é determinante, é crítico para que o nosso povo possa viver melhor”, afirmou o ministro numa audição conjunta nas comissões parlamentares de Orçamento e Finanças e de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, no âmbito da apreciação na especialidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020).

Pedro Nuno Santos salientou que o actual aeroporto de Lisboa não tem capacidade para receber todos os voos e que a localização da nova infra-estrutura no Montijo é a solução.

“Não temos o direito de continuar a adiar o desenvolvimento do país”, afirmou o governante, que salientou: “Todos os investimentos em infra-estruturas têm impacto ambiental, que não haja ilusão nenhuma sobre isso”.

O que é preciso “é garantir um equilíbrio” entre a preservação do ambiente e qualidade de vida, mas permitindo que o país continue a desenvolver-se, apontou o ministro, na sua intervenção inicial.

“Estamos já neste momento a perder dezenas de milhões de euros, centenas todos os dias, porque aeroporto de Lisboa não pode receber a quantidade de voos que procuram todos os dias” aquela infra-estrutura, “são menos receitas, são menos empregos, perde o povo português”, salientou.

“Não temos tempo e direito para continuar a estudar” outras localizações, acrescentou, apontando estar convencido de que o Montijo é a melhor solução.

A 8 de Janeiro de 2019, a ANA e o Estado assinaram o acordo para a expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa, com um investimento de 1,15 mil milhões de euros até 2028 para aumentar o actual aeroporto de Lisboa (aeroporto Humberto Delgado) e transformar a base aérea do Montijo num novo aeroporto.

This article has 3 comments

  1. Porque é que este novo MINISTRO JAMAIS insiste na mentira reiterada, será que o PM António Costa o obriga como José Sócrates obrigava Mário Lino ? Está tecnicamente e económicamente provadíssimo que a melhor opção é Alcochete por 2 razões fáceis de entender até para estes corruptos :1) no Montijo a vida útil do terminal é de 15 anos apenas em Alcochete 1 século no mínimo, 2) do ponto vista ambiental os sobreiros de Alcochete plantam-se noutro local já o estuário do Tejo não se pode mexer, fácil entender mas os lobys são poderosos e afinal os comunistas até abstiveram na votação do OE, falam muito mas fazem pouco ou quase nada, por isso acabam.

  2. Ontém à noite, em mais 1 brilhante programa de José Gomes Ferreira na SIC, ficámos a saber que é 100 % verdade o que já muitos comentavam : que o terminal do Montijo, não confundir com aeroporto pq 1 terminal é só 1 acrescento de 1 aeroporto, não poderá receber aviões de médio ou grande porte apenas de pequeno porte porque a pista não pode ser aumentada para esse efeito. Ou seja a acrescentar ao facto de ficar esgotado em apenas 15 anos só poderá receber aviões pequeninos, é para dizer que o António Costa tem cérebro de galinha, vergonha !

  3. … , não se pode confundir com aeroporto …

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*