K Line, NYK e MOL poderão abandonar o mercado sul-africano caso percam o recurso da decisão da Comissão de Concorrência da África do Sul que chumbou a sua fusão dos seus negócios de transporte marítimo de contentores, admite a Alphaliner.

MOL

Na verdade, a NYK já abandonou aquele mercado em Novembro de 2015, restando somente a MOL e a K Line a fazerem escalas no país. A África do Sul representa apenas 4% do volume de negócio de contentores combinado das três companhias, segundo a consultora.

“Não é expectável que o julgamento sul-africano tenha um impacto significativo no plano das transportadoras japonesas de criarem a joint-venture de transporte de contentores antes de Abril de 2018, já que podem optar, em último recurso, por sair do mercado sul-africano de modo que isso não afecte a fusão em outros mercados”, indica a Alphaliner.

Sexto lugar do ranking

A frota conjunta da NYK, K Line e MOL ascenderá a 1,4 milhões de TEU, o que, de acordo com as partes, lhes garante que permaneçam competitivas em termos de custos. A designação para a companhia conjunta já foi definida: Ocean Network Express (ONE), com início das operações previsto para 1 de Abril de 2018.

A ONE, que integra a THE Alliance, entrará directamente para o sexto lugar do ranking mundial em termos de capacidade.

 

 

Os comentários estão encerrados.