Se tudo correr como previsto, dia 9 de saberá quanto é que algumas das principais companhias aéreas terão de pagar de multa por concertação de preços na carga na Europa.

À espera da decisão da Bruxelas estão companhias como a British Airways, a Air France, a SAS e a Cathay Pacific. A Alitalia, a Japan Airlines, a All Nippon Airways e a Air Canada também foram investigadas mas não se sabe se serão penalizadas. De fora ficará a Lufthansa, por ter colaborado com as autoridades.

A acusação de Bruxelas às companhias aéreas foi pronunciada em Dezembro de 2007, depois de uma acção de investigação concertada com o Departamento de Justiça norte-americano.

Certo é que desde então várias têm sido as companhias condenadas ao pagamento de multas milionárias, havendo mesmo a registar algumas prisões.

Na Europa, o processo de concertação de preços e taxas entre as companhias aéreas está a ganhar novos contornos, uma vez que também os carregadores querem ser ressarcidos directamente das perdas em que incorreram. A Air France-KLM, por exemplo, enfrenta uma acção de 400 milhões de euros.

O montante das multas a aplicar pela Comissão Europeia não é, claro, ainda conhecido, mas os analistas esperam que sejam substanciais sem serem valores recordes. No limite, poderiam atingir 10% do volume de negócios das companhias prevaricadoras.

Os comentários estão encerrados.