O governo da Guiné-Bissau vai lançar a Air Guiné-Bissau, em parceria com o grupo romeno Tender, anunciou ontem, em Bissau, o secretário de Estado dos Transportes e Comunicações.

Aeroporto Bissau

João Bernardo Vieira disse que para já o estado guineense detém uma participação de 40% na transportadora aérea ficando os restantes 60% nas mãos do grupo romeno.

A Air Guiné-Bissau começará a operar com duas aeronaves e, de acordo com o secretário de Estado, as rotas identificadas pela Agência da Aviação Civil são Bissau/Dacar/Bissau, Bissau/Lisboa/Bissau e Bissau/Praia/Bissau.

“Temos ambição de ligar a sub-região, mais concretamente Conacri e Banjul e pensamos que dentro de um ano estaremos em condições de fazer a ligação entre Bissau e Fortaleza (Brasil)”, disse João Bernardo Vieira.

O secretário de Estado adiantou que, enquanto se aguarda pela aprovação da nova companhia aérea pela Organização Internacional da Aviação Civil, “vamos continuar a desenvolver os passos necessários para que a Air Guiné-Bissau esteja em condições de funcionar.”

A intenção da Guiné-Bissau de criar uma companhia aérea nacional ganhou novo fôlego com a interrupção do serviço da TAP, em Dezembro de 2013, na sequência de incidentes no aeroporto de Bissau. Desde Novembro do ano passado que a Euroatlantic assegura as ligações com Lisboa, com base num contrato com as autoridades guineenses.

O grupo Tender controla várias empresas que operam em áreas como a energia, petróleo e serviços da indústria de gás, prospecção geológica, infra-estruturas rodoviárias, imobiliário, agricultura, turismo e aviação, estando presente em países africanos como o Senegal e a Costa do Marfim.

 

 

Os comentários estão encerrados.