A Alpega vai manter a estratégia da Wtransnet, garantiu o CEO do grupo belga, à margem da WConnecta, na passada sexta-feira, em Madrid.

Wtransnet realizou mais um WConnecta em Madrid

Fabrice Maquignon indicou, em conferência de imprensa em que o TRANSPORTES & NEGÓCIOS esteve presente, que “não há mudança de estratégia” e que a “Wtransnet terá um papel importante na presença pan-europeia da Alpega”.

O executivo salientou que a bolsa de cargas espanhola “se encaixa” muito bem na visão do seu grupo. “Queremos ter soluções no grupo para clientes de várias dimensões”, acrescentou.

O grupo belga, proprietário das bolsas de carga Teleroute, BursaTransport e 123Cargo, anunciou em Agosto ter adquirido a Wtransnet, que reclama a liderança em Portugal e Espanha entre as bolsas de carga online.

“Negócio rápido”

O CEO da Wtransnet salientou, por seu turno, que o entendimento com a Alpega foi simples. “Foi um processo rápido. Começámos as negociações em Maio e a 3 de Agosto o negócio estava fechado”, referiu o executivo, que continuará a liderar a bolsa de cargas (tal como o resto dos quadros de recursos humanos se manterão).

Jaume Esteve acrescentou que a companhia esta´”num processo de adaptação”. A única coisa que a Wtransnet pretende “é crescer” e foi isso, de resto, o que esteve na base da decisão da venda.

“Desfrutámos deste projecto. Quando começámos, ninguém dava um tostão por nós. Somos fornecedores de tecnologia, mas vimos dos transportes. Provámos ser uma ferramenta útil”, sublinhou Jaume Esteve.

“Foi um sonho” de 22 anos. “Crescemos muito e o projecto tem de continuar a crescer e ter força para isso. Daí a venda”, explicou o CEO da Wtransnet.

O responsável salientou que, apesar do ganho de dimensão, a bolsa de cargas continuará a ter na proximidade com os parceiros o seu grande trunfo. “Quando há algum problema, os clientes dizem ‘temos de resolver’ e não ‘têm de resolver'”, indicou Jaume Esteve.

WConnecta é para manter

“Isso é algo que queremos manter”, salientou Fabrice Maquignon a propósito da WConnecta. “É exactamente o exemplo do que queremos desenvolver. A WConnecta tem crescido todos os anos e pretendemos manter. Não sabemos ainda se vai manter esta designação, mas o conceito ficará”, assegurou o CEO da Alpega.

A WConnecta Madrid 2018, realizada na passada sexta-feira, foi a nona edição do evento de networking de transporte. Para o ano, a edição que assinalará o décimo aniversário regressará à cidade-sede da Wtransnet, Barcelona.

24 empresas portuguesas

A edição de 2018 reuniu cerca de 800 empresários do sector, oriundos de 17 países. Como sempre, teve o seu epicentro nas rondas de speed networking, onde os participantes levam a cabo entrevistas de cinco a sete minutos.

24 companhias portuguesas estiveram em Madrid. A TDN é um “repetente” no evento. “Já estamos presentes na WConnecta há oito anos. No primeiro ano só viemos com uma pessoa, mas agora já somos quatro”, afirmou aos jornalistas portugueses David Amaral, director-geral da transportadora.

A presença no evento é importante para manter a rede de parcerias. “É importante para manter o contacto e desenvolver os negócios em quatro áreas: transporte, armazenamento e logístico, transporte expresso e encontrar parceiros de camiões em mercados Itália ou França, entre outros”, indicou David Amaral.

A ABC Transitários vê na WConnecta utilidade semelhante. 2018 foi o terceiro ano em que a companhia esteve no evento. “É bom conhecer os parceiros pessoalmente, além de por telefone ou e-mail. Percebemos melhor com quem lidamos. É sempre bom”, indicou o director-geral da companhia.

“Estamos presentes para troca de ideias com os parceiros, para fortalecer negócios que já temos e até já conseguimos novos negócios”, acrescentou Nélson Mendes, antes de dar conta que “30% a 40% das companhias” com que se reuniu “se tornam parceiras no curto a médio prazo”.

Nélson Mendes referiu ainda que “este ano as pessoas chegaram mais preparadas às reuniões, o que é positivo”.

Comments are closed.