A Cosco tem planos para transformar Zeebrugge no seu hub para o Norte da Europa, avança a Alphaliner.

A Cosco e a aliança que integra, a Ocean Alliance, reduziram o número de escalas no porto belga, com grande parte das actividades de transhipment na região a concentrarem-se em Antuérpia e Roterdão.

Porém, após a aquisição pela Cosco, em 2017, do terminal de contentores do porto, o CSP Zeebrugge, e posterior conclusão de um contrato de concessão com a autoridade portuária, no início do ano passado, a aliança trocará a escala no serviço NEU1 Ásia-Europa de Roterdão para Zeebrugge.

A Alphaliner dá conta que a primeira escala será já no próximo dia 11 corrente, com parte de um serviço operado por 11 navios de 19 000-21 000 TEU, a qual se juntará à escala já existente em Zeebrugge do serviço NEU3 Asia-Europa, que opera embarcações com 13 300-14 500 TEU.

Os dados do Alphaliner indicam que o tráfego de contentores em Zeebrugge atingiu um pico de 2,5 milhões de TEU em 2010, mas depois caiu para menos de 1,5 milhões de TEU em 2016. Grande parte do tráfego actual é assegurado por serviços de shortsea, usando navios ro-ro.

A consultora revela, além disso, que a CSP Zeebrugge está a receber novos investimentos para poder movimentar embarcações maiores. Estão em curso obras no porto belga para “instalar alguns de sete pórticos de cais”.

 

Comments are closed.