Itália está a assinalar dez anos de Alta Velocidade. Ao longo da última década, a frota de comboios Frecciarossa (actualmente com 144 unidades) transportou 350 milhões de passageiros.

 

Em dez anos, a Alta Velocidade poupou 18,5 milhões de horas aos seus passageiros, face à ferrrovia tradicional. Em média, em 2018, cada passageiro da Frecciarossa economizou uma hora por dia, em comparação com uma viagem feita em 2005 para os mesmos destinos.

O balanço da década também mostra dados de sustentabilidade positivos, com menos 20 milhões de toneladas de CO2 emitidas entre 2008 e 2018, graças à mudança modal do veículo particular e do avião para a ferrovia. O Frecciarossa 1000 da Trenitalia, o primeiro comboio de Alta Velocidade que obteve a certificação de impacto ambiental, é construído com materiais praticamente 100% recicláveis.

Além disso, a Ferrovie dello Stato (FS) está a exportar o seu modelo de Alta Velocidade para o Reino Unido, onde a Trenitalia (através da Trenitalia UK), assegura os serviços Intercity entre Londres, Glasgow e Edimburgo (Avanti West Coast), a principal linha ferroviária do Reino Unido. Na Tailândia, a FS venceu o concurso para a concessão e manutenção da infra-estrutura, da frota de comboios, das estações e dos depósitos da linha de Alta Velocidade que ligará os três principais aeroportos do país.

Há dias, em Espanha, o consórcio Ilsa, formado pela Trenitalia e Air Nostrum, foi pré-seleccionado pela Adif para operar serviços de Alta Velocidade, a partir de Dezembro de 2020. O consórcio pretende oferecer, durante dez anos, ligações entre Madrid, Barcelona, ​​Valência, Alicante, Málaga e Sevilha. Além disso, em França, estão a realizar-se testes para a ligação Milão-Paris com o Frecciarossa 1000 e o início do serviço tem arranque previsto para o próximo ano.

 

This article has 1 comment

  1. Portugal governado por comunistas prefere ter 10 comboios ALFA para o país inteiro porque os restantes têm 60 anos, bastava concessionar a linha do Norte ao Algarve passando por Lisboa e incluir também na concessão a linha Cascais pagavam tudo os privados e geriam durante 60 anos, fácil.