O Conselho Metropolitano do Porto (CmP) defende um adiamento do concurso para a concessão a privados da STCP. Os autarcas pediram uma reunião urgente ao ministro da Economia e ao secretário de Estado dos Transportes para debater o assunto.

A um dia do fim do prazo anunciado pelo Governo para lançar a concessão do Metro do Porto e da SCTP, o presidente do Conselho Metropolitano do Porto defendeu que o melhor seria adiar o processo da STCP, porque há questões por esclarecer.

“Não deve haver precipitações na questão da STCP. É preciso amadurecer o processo para decidir bem”, defendeu Hermínio Loureiro, em conferência de imprensa, no final da reunião do CmP.

O autarca começou por dizer da preocupação do CmP face ao atraso na concessão do Metro do Porto (o contrato actual termina no final do ano), mas escusou-se a propor a separação dos dois concursos de concessão, dizendo estar em causa “uma posição política”.

No entanto, alertou, “há um conjunto de questões que não estão respondidas. As próprias peças [do concurso] têm sido diariamente alteradas. Temos a garantia de que tudo o que é serviço público se mantém, mas o que é preciso é um reforço”, explicou o também presidente de câmara de Oliveira de Azeméis.

Referindo-se a um eventual “alargamento” da rede da STCP a mais municípios, o autarca frisou que, para o CmP, “não está reunidas condições para avançar desde já com o processo de concessão” da STCP

O autarca adiantou que o CmP “solicitou, com carácter de urgência, uma reunião ao ministro [da Economia] e ao secretário de Estado [dos Transportes]”, na qual o CmP estará representado pelos presidentes das câmaras do Porto, Gaia e Póvoa de Varzim, e pelo primeiro secretário do CmP, Lino Ferreira, revelou.

“Enquanto a Metro do Porto já é alvo de uma concessão, na STCP é um processo novo. Precisa de mais reflexão. Às vezes vale a pena atrasar uma semana ou 15 dias para ter dez anos frutuosos”, vincou, explicando que o objetivo do CmP é que a empresa “possa prestar um melhor serviço do que é prestado hoje”.

Os comentários estão encerrados.