Um dia depois de ter pedido mais “acção” ao Governo, Andreia Ventura anuncia a renúncia ao cargo de presidente do conselho de administração da Arsenal do Alfeite, S.A..

A renúncia, que foi aceite pelo Ministério da Defesa, é justificada com razões de natureza pessoal. À “Lusa”, a gestora, que terminou o mandato no final de Dezembro passado, disse ter aceite um convite para o sector privado. Antes de ser escolhida para dirigir o Arsenal do Alfeite, Andreia Ventura foi administradora da Administração do Porto de Lisboa.

Numa mensagem dirigida aos trabalhadores da empresa, Andreia Ventura manifesta “esperança e a convicção” de que a tutela “continuará a pugnar” pelo futuro da Arsenal do Alfeite, que emprega 494 funcionários e iniciou o
recrutamento de mais 42 para o segundo semestre do ano.

 

A saída ocorre numa altura em que a empresa de manutenção e reparação naval, 100% de capitais públicos, aguarda da tutela autorizações para usar os recursos financeiros próprios para investimentos na modernização industrial e tecnológica dos equipamentos e instalações.

Ontem, à margem de uma visita de deputados da comissão de Defesa Nacional, Andreia Ventura sublinhou que a empresa “tem um potencial espantoso, mas é preciso acção” por parte do Governo. “Não temos dívidas e hoje pagamos a 30 dias e recebemos a 30 dias. Mas, é absolutamente essencial o investimento na modernização da Arsenal para garantir o seu futuro”, reforçou.

Como exemplo, a gestora frisou que foi pedida em 25 de Janeiro autorização ao Governo para a transição de saldos, num montante de oito milhões de euros para a empresa poder avançar “com investimentos essenciais”.

» Presidente do Arsenal do Alfeite pede “acção” ao Governo

 

Os comentários estão encerrados.