Angola libertará os fundos que ainda deve às companhias aéreas internacionais durante este mês de Julho, anunciou em Luanda o governador do Banco Nacional de Angola.

Em causa estarão já menos de 100 milhões de dólares, de acordo com José de Lima Massano. Muito longe dos 540 milhões de dólares reclamados pelas operadoras ainda no início do ano.

No início de Junho, a dívida de Angola às companhias aéreas situava-se nos 386 milhões de dólares, segundo a IATA, pelo que das palavras do governador do Banco Nacional de Angola se pode depreender que no entretanto foram libertados mais perto de 300 milhões de dólares.

Os fundos reclamados pelas companhias têm origem na venda de passagens aéreas que depois não conseguem repatriar, no caso de Angola devido à forte crise económica, financeira e cambial que o país atravessa desde finais de 2014.

A situação levou Angola a acumular uma dívida, em fundos bloqueados – depositados em moeda angolana nos bancos nacionais e que aguardam autorização para repatriamento – até um “pico” de mais de 500 milhões de dólares, conforme reconheceu a IATA.

O governador do Banco Nacional de Angola, que discursava na sessão de encerramento do VIII Fórum Banca, promovido pelo semanário angolano Expansão, informou igualmente que até ao final de 2017 o país tinha cerca de 3000 milhões de dólares em transferências cambiais em atraso.

» Angola libertou 102 milhões de euros das companhias aéreas

Tags:

Os comentários estão encerrados.