Uma viagem entre o Cais de Gaia, na margem esquerda do Douro, e o terminal fluvio-marítimo de Leixões (no novo terminal de cruzeiros) é o cenário escolhido pela APDL para apresentar os planos de investimento na via navegável do Douro.

Douro Azul - Douro Cruiser

A escolha não é “inocente” até porque desde o lançamento do projecto do novo terminal de cruzeiros do porto nortenho – e ainda a APDL não pensaria assumir a gestão da navegabilidade do Douro – se fala na possibilidade de alguns dos cruzeiros no rio começarem/acabarem em Leixões, podendo assim servir também os passageiros dos cruzeiros oceânicos.

Não por acaso, a viagem / conferência de imprensa acontecerá depois de amanhã, quinta-feira, sucedendo-lhe, em Leixões, a inauguração formal do terminal de cruzeiros.

A APDL é desde Janeiro a responsável pela gestão da via navegável do Douro, sucedendo nessas funções ao IMT. Mas foi ainda o IMT a candidatar ao CEF o estudo “Douro’s Inland Waterway 2020, com arranque em Março passado e termo estimado em Janeiro de 2017.

O valor da candidatura ascendeu a 4,7 milhões de euros. O co-financiamento atribuído foi de 50%, o máximo previsto para estudos.

O projecto prevê o estudo da correcção geométrica dos dois principais estrangulamentos da via navegável, assim como da melhoria de equipamentos como as eclusas. Igualmente para  a preparação da melhoria dos sistemas de informações e de comunicações do rio.

Os objectivos últimos são potenciar o tráfego flúvio-marítimo no troço português (208 km) do Douro, entrando em Espanha, constituindo uma alternativa, ou pelo menos um complemento aos demais modos de transporte.

A apresentação detalhada do projecto (cujos estudos foram candidatados a Bruxelas) será, com certeza, o prato forte do almoço-volante que será servido a bordo do “Douro Cruiser”, da Douro Azul.

Tags:

This article has 1 comment

  1. Viva o Progresso !!! Bem haja.