A APM Terminals (APMT) vendeu participações minoritárias à Cosco Shipping Ports (40%) e à Qingdao Port International Development (9,9%) na joint-venture que vai operar o terminal de Vado, no Noroeste de Itália. As partes não revelaram os valores dos negócios.

APM Terminals

As três companhias irão operar o Vado Reefer Terminal – que, com capacidade anual para 275 mil TEU, são as maiores instalações refrigeradas do Mediterrâneo – e o novo terminal de águas profundas com capacidade para 800 mil TEU que está a ser construído no porto da Costa da Ligúria.

Com arranque de operação previsto para 2018, o APM Terminals Vado poderá movimentar embarcações de até 19 000 TEU.

A aquisição de 40% do APM Terminals Vado representa mais um passo da expansão da Cosco no Mediterrâneo, no âmbito da iniciativa chinesa “One Belt, One Road”.

Esta não é, de resto, a primeira parceira entre a APM Terminals e a Cosco, que já é accionista de outras instalações operadas pela companhia do grupo Maersk, como são os casos do terminal de contentores do Canal do Suez (Egipto), o terminal APMT Zeebrugge (Bélgica) ou o terminal de contentores Qingdao Qianwan (China).

“Através de parcerias globais e objectivos comuns de excelência operacional, podemos atingir muitas melhorias em conjunto, mesmo no actual ambiente difícil para a operação”, referiu, citado pela assessoria de imprensa, o actual CEO da APMT, Kim Fejfer, que será substituído no cargo por Morten Engelstoft.

 

Comments are closed.