A APM Terminals e a Cearaportos estão a investir centenas de milhões de reais na expansão e modernização do porto brasileiro de Pecém, para o tornar capaz de servir como hub de transhipment para a costa atlântica da América do Sul.

DCIM153MEDIADJI_0132.JPG

A operadora do grupo Maersk investiu cerca de 100 milhões de reais na compra de três pórticos STS (ship-to-shore), dos maiores do Brasil, capazes de operar os VLCC de última geração e +18 000 TEU de capacidade.

Já a Cearaportos está a investir 600 milhões de reais no prolongamento do terminal, dotando-o com mais três postos de atracação.

Com fundos de -18 metros, o porto de Pacém, no estado do Ceará, “é o porto mais próximo de mercados consumidores como os Estados Unidos, a Europa e o Norte da África. Sua localização também é estratégica para todas as rotas provenientes da Ásia, o que o torna também uma excelente opção para distribuição de mercadorias por meio da cabotagem”, explica Ricardo Arten, director executivo da APM Terminals no Brasil, citado na imprensa local.

Com os novos equipamentos, que lhe permitirão operar os navios de maior porte que (espera-se) demandarão a América do Sul passando pelo Canal do Panamá alargado, a APM Terminals projecta crescer este ano 20% em Pecém, superando os 180 mil TEU que ali movimentou em 2015.

“Dependendo da cascata dos navios para outros tráfegos, como a América do Sul, Pecém pode ser a solução imediata para as actuais deficiências das infra-estruturas portuárias brasileiras”, reforçou o dirigente da APMT Brasil.

 

Comments are closed.