A privatização das autoridades portuárias melhoraria a competitividade dos portos europeus, conclui um estudo realizado pelo secretário-geral da Associação de Armadores da Comunidade Europeia (ECSA, na sigla em inglês), Patrick Verhoeven.

Porto de Roterdão

A investigação do executivo teve como base as alterações levadas a cabo na Autoridade Portuária de Roterdão em 2004, altura em que se transformou numa sociedade limitada.

De acordo com o estudo do secretário-geral da ECSA, a gestão independente permitiria aos portos uma maior autonomia e, assim, aumentar a capacidade de investimento, de atrair novo capital social e de ter melhor acesso ao financiamento privado.

Patrick Verhoeven acredita que a privatização possibilitaria ainda melhorar e ampliar a cooperação com outras autoridades portuárias de longo alcance, com o objectivo de ter impacto sobre as cadeias logísticas.

No cenário de privatização, os Estados poderiam, segundo a ECSA, manter-se como accionistas, mas as autoridades portuárias passariam a ser geridas como empresas. A investigação de Verhoeven salienta ainda que a privatização beneficiaria a competitividade de todo o sistema portuário europeu, pelo que a União Europeia deve ser um “aliado objectivo” para continuar as reformas da gestão portuária.

Comments are closed.