Os armadores gregos criticam a decisão da IMO de autorizar a instalação de filtros de gases de escape (scrubbers) nos navios para que estes cumpram o limite de 0,5% de teor de enxofre no combustível que vigorará a partir de 2020.

Scrubbers criam concorrência desleal, dizem os armadores gregos

O presidente da União dos Armadores Gregos (UAG), Theodore Veniamis, criticou, no seu discurso no 20.º Marine Money Greek Forum, a IMO pelo que disse ser uma autorização “hipócrita” da utilização de scrubbers. “Todos deveriam usar combustível com baixo teor de enxofre”, atirou.

A UAG mantém que isentar os navios equipados com filtros de utilizarem combustíveis com 0,5% de enxofre “mina seriamente” as condições de igualdade de concorrência do sector, além de reduzir o benefício ambiental das novas medidas.

“É óbvio para todos que o uso de scrubbers é apenas uma opção de curto prazo, impulsionada por motivos claros de lucro rápido e contra a meta principal da IMO e o compromisso ambiental do sector”, acusou Veniamis.

O dirigente avisou a IMO para “manter-se fora” do lobby de partes interessadas com motivações comerciais, referindo-se de forma indirecta a alguns armadores com participações em produtores de filtros de gases de escape.

Theodore Veniamis adiantou ainda que a UAG ficou alarmada com a “falta de contributo” da Associação Internacional das Sociedades de Classificação (IACS) para este tema enquanto “representante legítimo das entidades responsáveis ​​por verificar” a segurança dos navios e suas tripulações no mar.

“Lamentavelmente, não temos visto nenhum contributo substancial da IACS para esta questão, nem a sua participação em estudos de impacto ambiental, pelo menos de scrubbers de circuito aberto, antes da sua aprovação”, disse.

 

 

 

 

 

 

Tags:

Os comentários estão encerrados.