A Administração do Porto de Aveiro prepara-se para retomar o processo de concessão do terminal de granéis líquidos, iniciado já lá vão mais de três anos.

Interessados na movimentação das cargas mantém-se três: o consórcio integrado pela Tertir, Socarpor e Prio; a OA Agencies (Grupo Orey) e a Odffell; e a Cisterpor-Tanquipor. Pelo caminho ficaram a Petrogal, o Grupo ETE e a Teixeira Duarte.

Todos os consórcior candidatos têm experiência na actividade, sendo que a Prio (Grupo Martifer) está mesmo instalada no interior do porto de Aveiro, junto ao terminal de granéis líquidos, onde opera.

A concessão será feita por um período de 20 anos, com a possibilidade de uma única prorrogação por mais cinco anos.

O tarifário a praticar pelo futuro concessionário será o aspecto mais valorizado na avaliação das propostas, com um peso específico de 40%. A contrapartida pela concessão, isto é, o encaixe da APA, é o aspecto menos importante (“pesa” apenas 10%).

Caso a concessão fique outorgada até ao final do ano, como pretende a APA, o arranque da exploração poderá acontecer no início de 2012.

A movimentação de granéis líquidos em Aveiro tem estado em alta. Só no primeiro semestre atingiu as 461 mil toneladas, mais 71% do que no período homólogo de 2009 e 37% melhor do que em 2007, o ano recorde da actividade.

Comments are closed.