A Baleària comemorou o primeiro aniversário da rota que liga Huelva às Canárias, que opera com a Fred Olsen, com a incorporação do Marie Curie, navio a GNL.
DCIM100MEDIADJI_0896.JPG

O Marie Curie é a terceira embarcação a GNL a operar na rota, juntando-se ao Abel Matutes e ao Nápoles.

Actualmente, a Baleària tem quatro navios com motores duais que podem ser alimentados a GNL: dois deles recém-construídos (o Hypatia de Alexandria e o Marie Curie) e outros dois reconvertidos (o Nápoles e o Abel Matutes). Até 2021, a companhia prevê reconverter mais quatro embarcações e receber o que afirma ir ser o primeiro fast-ferry do mundo movido a GNL, o Eleanor Roosevelt, que tem previsão de entrega em 2020.

Contas feitas, o actual plano de frota da Baleària prevê um total de nove navios a GNL em 2021.

Durante o primeiro ano da rota Huelva – Canárias, operada em conjunto pela Baleària e pela Fred Olsen, foram realizados 155 serviços, o que significa que as ligações aumentaram 73%. Em termos de carga, o aumento na rota foi de 30%.

“Após este primeiro ano de serviço, renovamos o nosso compromisso de tornar o porto de Huelva um porto europeu e polivalente, e também o fazemos com o navio mais novo e mais moderno da frota”, afirmou Adolfo Utor, presidente da Baleària. Por seu lado, Andrés Marín, director-geral da Fred Olsen, acrescentou que “esta incorporação representa uma melhoria notável no serviço, oferecendo aos passageiros a melhor alternativa, tanto no conforto como nos serviços a bordo, além de sustentabilidade e eficiência”.

 

 

 

 

 

Comments are closed.