Para responder às necessidades actuais de transporte de mercadorias, o Brasil precisaria de uma rede ferroviária de 52 mil quilómetros, defendeu o presidente executivo da Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF).

O Brasil tem actualmente uma rede de cerca de 30 mil quilómetros de ferrovia. O governo federal projecta construir dez mil quilómetros até 2025. É pouco, disse Rodrigo Vilaça, citado pelo “BE”.

A rede ferroviária brasileira é, pois, escassa e, o que é pior, não corresponde verdadeiramente a uma rede, uma vez que muitas linhas não têm ligação entre si. “A nossa malha é um arquipélago, os sistemas não se interligam”, sintetizou um especialista de transportes ouvido a propósito.

Para os próximos 25 anos, a Agência Nacional de Transportes Terrestres prevê investimentos de 91 mil milhões de reais na ferrovia.

As actuais empresas concessionárias, por seu turno, deverão investir 16 mil milhões já nos próximos três anos, mas apenas na rede existente. “O investimento das concessionárias diz respeito apenas à malha existente. Será empregado em novas locomotivas, vagões, software, manutenção e formação”, disse o presidente da ANTF.

A associação dos transportadores ferroviários quer agora que o governo de Dilma Roussef canalize para investimentos no sistema as receitas das concessões, que só no ano passado terão totalizado 1,7 mil milhões de reais.

As ligações ferroviárias aos portos são também consideradas prioritárias, para favorecerem as exportações. Desde logo, de produtos agrícolas, florestais e minerais. Actualmente, segundo a ANTF, “apenas 25% do que é produzido nos campos chega aos portos por ferrovia”.

Comments are closed.