Se o Reino Unido sair da UE sem um acordo, “há muitos países que adorariam construir asas para os aviões da Airbus”, avisa o presidente da empresa aeronáutica.

O presidente da Airbus pediu esta quinta-feira ao Reino Unido para esclarecer a sua posição sobre o Brexit e alertou que se a saída da União Europeia for feita sem acordo poderá levar a companhia a mudar-se para outros países.

Numa mensagem divulgada pela gigante europeia de aeronáutica e defesa, Tom Enders destacou que “estão errados” aqueles que dizem que, como a Airbus tem grandes fábricas no Reino Unido, vai ali ficar “para sempre”.

Embora tenha admitido que não é possível mudar estas fábricas “no imediato”, sublinhou que o sector aeroespacial é um negócio de longo prazo e que a Airbus “pode ser forçada a redireccionar futuros investimentos em caso de saída [da UE] sem acordo”.

“Há muitos países que adorariam construir asas para os aviões da Airbus”, acrescentou o responsável, referindo-se à principal actividade que o consórcio europeu tem em território britânico.

A Airbus tem uma equipa de mais de 14 000 pessoas no Reino Unido e há cerca de 110 000 empregos que dependem de seus programas, que geram cerca de 6 000 milhões de libras (cerca de 6 900 milhões de euros) de facturação anual.

O presidente do fabricante europeu disse que, devido à actual situação de incerteza, “o sector aeroespacial britânico está à beira do precipício”, sublinhando que “o Brexit está a ameaçar destruir um século de desenvolvimento baseado na educação, investigação e capital humano”.

É por isso que, se a saída da UE for feita sem um acordo, a Airbus “teria que tomar decisões muito negativas para o Reino Unido”.

Tom Enders argumentou ainda que, “numa economia global, o Reino Unido não pode seguir por conta própria”.

“Os grandes projectos aeroespaciais são empresas multinacionais”, acrescentou.

O responsável criticou o facto de mais de dois anos após o referendo de 2016 sobre o Brexit as empresas serem  incapazes de planear o seu futuro, porque não sabem como é que a saída se vai materializar, e lembrou que a sua empresa, como muitas outras, pediu repetidamente “clareza”.

O presidente do número dois mundial indicou que o mercado da aviação cresce a uma taxa de 5% ao ano e que o seu grupo “não depende do Reino Unido” para o seu futuro e sobreviverá em qualquer condição.

“A questão é se o Reino Unido quer fazer parte desse futuro de sucesso”, para o qual o Brexit deve acontecer de maneira ordenada, resumiu.

Tags:

Comments are closed.