Sem financiamento garantido, a Brittany Ferries suspendeu a encomenda daquele que seria o maior ferry do mundo movimento da GNL. Mas mantém o programa de remotorizações e de instalação de filtros de partículas.

O novo navio, conhecido pelo nome de Pegasis (acrónimo de Power Efficient GAS Inovative Ship), foi encomendado em Janeiro passado aos estaleiros franceses da STX, que participaram durante dois anos no seu desenvolvimento.

Com um comprimento de 210 metros e 31 metros de largura, o novo ferry, o maior do mundo alimentado a GNL, deveria transportar 2 600 passageiros, 650 automóveis e 40 camiões, nas ligações entre o Reino Unido e Espanha, a partir da Primavera de 2017.

O único senão do projecto era o seu custo: 270 milhões de euros, que a Brittany Ferries não conseguiu financiar, pelo que optou por suspender a encomenda.

Mantém-se outrossim o programa de adaptação da frota da companhia para cumprir com os novos limites de emissões de enxofre, a partir de 1 de Janeiro de 2015. O Mont Saint-Michel, o Pont Aven e o Armorique serão reconvertidos para a alimentação a GNL, até ao final do primeiro semestre de 2015. Já o Le Normandie, o Cap Finistère e o Barfleur, navios mais antigos, serão dotados com filtros de partículas.

Os comentários estão encerrados.