O primeiro autocarro eléctrico português saiu hoje da linha de montagem da Caetanobus. Até ao final do ano deverão ser produzidos entre 10 e 20. A produção global da unidade de V.N. Gaia deverá chegar aos 472 autocarros.

O primeiro autocarro eléctrico, produzido em parceria pela Caetanobus e pela Efacec, deverá entrar em testes reais em Vila Nova de Gaia, já em Abril e durante três meses. Um segundo veículo seguirá na mesma altura para a Alemanha, de onde já terão sido recebidas mais duas encomendas.

Cada autocarro, construído sobre a plataforma do Cobus, uma referência no mercado mundial de autocarros de aeroporto, custará cerca de 500 mil euros, baterias incluídas. Um preço muito elevado comparativamente aos autocarros tradicionais ou mesmo a outros autocarros movidos a energias alternativas.

José Ramos, administrador da Caetanobus, conta que a produção industrial permitirá baixar o custo unitário de produção. E confia também – pelo menos deixou um apelo nesse sentido ao primeiro ministro, presente na cerimónia de apresentação – que o Estado apoie a compra destes autocarros na proporção do que faz com os carros eléctricos.

A autonomia do novo veículo – apenas 100 quilómetros – será outro obstáculo à sua compra pelas empresas transportadoras. Mas o autocarro eléctrico destina-se essencialmente a operar em zonas de emissões zero ou em centros de grande densidade de utilizadores.

Para este ano, a Caetanobus prevê produzir 10 a 20 destes autocarros, e construir cerca de 50 no próximo ano, maioritariamente para a exportação.

Em termos globais, a empresa do grupo Salvador Caetano projecta produzir este ano 472 autocarros, mais 106 do que em 2010, e atingir um volume de negócios de 57 milhões de euros, mais 11 milhões do que no último exercício. As exportações representam cerca de dois terços da facturação.

Os comentários estão encerrados.