O tráfego de mercadorias no Canal do Panamá no ano fiscal de 2019 atingiu 469 milhões de toneladas do Canal do Panamá (PC/UMS), um novo recorde absoluto.

O resultado agora anunciado pelo Canal do Panamá representa uma subida homóloga de 6,2% face aos 442,1 milhões de PC/UMS do exercício anterior .

A via navegável não pára, de resto, de crescer. Com efeito, já no ano fiscal de 2017 (os anos fiscais terminam a 30 de Setembro), o primeiro ano completo após o alargamento, concluído em Junho de 2016, o Canal do Panamá havia atingido um máximo histórico, com 403,8 milhões de toneladas.

Os 469 milhões de PC/UMS agora anunciados superam, mesmo, as projecções iniciais dos responsáveis pela infra-estrutura, que apontavam para 450,7 milhões.

No ano fiscal de 2019, os trânsitos de navios-tanque de gás natural (GNL) e gás de petróleo liquefeito (GPL), com subidas, respectivamente, de 37,6% e 6,9% tiveram os maiores incrementos percentuais. Outros segmentos com crescimentos substanciais foram os navios-tanque de crude (+5,6%) e os car carriers/ro-ro (+5,5%).

Contentores em destaque

Os contentores continuaram a ser o principal segmento, representando 164,87 milhões de PC/UMS, 126,2 milhões das quais transitaram no canal expandido.

Outros segmentos importantes incluem os navios graneleiros (76,5 milhões de PC/UMS) e os car carriers/ro-ro (53,1 milhões de PC/UMS), navios-tanque de produtos químicos (44,3 milhões de PC/UMS), navios-tanque de GNL (43 milhões de PC/UMS), navios-tanque de GPL (37,8 milhões de PC/UMS), navios-tanque de produtos de crude (22,6 milhões de PC/UMS) e navios de passageiros (9,9 milhões de PC/UMS)

Tal como no ano anterior, os tráfegos Ásia-Costa Leste dos EUA, Costa Oeste da América do Sul-Costa Leste dos EUA, Costa Oeste da América do Sul-Europa, Costa Oeste da América Central-Costa Leste dos EUA e a rota costeira dos EUA Sul foram os mais importantes em termos de tonelagem.

EUA, China, Japão, Chile e México foram os principais utilizadores do Canal do Panamá no ano fiscal agora terminado.

 

 

 

 

Leave a comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*