As receitas da carga aérea, a nível global, em dólares, registaram em 2019 uma quebra de 11,7% em relação a 2018, avança o estudo Market Data da WorldACD.

A Europa foi o mercado de origem da carga aérea mais castigado

Os números das dezenas de companhias que comunicam dados da AWB à consultora de Amesterdão indicam que a carga aérea total transportada desceu 4,4%, em termos homólogos, em 2019. Mas o factor mais importante para o declínio da receita no ano passado foi uma queda de 7,6% nos preços médios pagos, com os rendimentos a baixarem mesmo em sectores ainda em crescimento, como os produtos farmacêuticos ou mercadorias vulneráveis (incluindo alta tecnologia).

Por regiões de origem, a Europa “foi a mais atingida em 2019”, perdendo mais de 16% de sua receita em dólares (12% em euros)  em comparação com o ano anterior, “com a Alemanha a representar metade das perdas da Europa”, refere a consultora.

A WorldACD acrescenta: “Como relatado ao longo do ano, as regiões mais pequenas [em termos de mercado] da África e da América Latina saíram-se melhor do que as regiões maiores do hemisfério Norte. Enquanto na Ásia-Pacífico e Europa, as saídas foram um pouco melhor do que as entradas, na América do Norte aconteceu o contrário”.

No último mês do ano passado, a carga aérea mundial diminuiu 1,7% face a igual mês de 2018, o que foi, observam desde a WorldACD, a menor queda na comparação anual desde Janeiro de 2019.

A quebra de receitas na carga aérea verificada em 2019 seguiu-se à descida registada em 2018 face ao ano anterior.

 

 

 

Comments are closed.