O presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Norte criticou hoje a “paralisia da Alta Velocidade” entre o Porto e Vigo e a “forma deselegante” como decorreu a introdução de portagens na A28.

Falando na abertura da cerimónia de entrega da liderança da Comunidade de Trabalho Galiza — Norte de Portugal ao presidente da Junta da Galiza, Carlos Lage classificou como “fracassos e dissabores” o adiamento da ligação em Alta Velocidade Porto-Vigo e a forma como decorreu a introdução de portagens na A28.

Segundo aquele responsável, o TGV entre o Porto e Vigo “foi e é uma das grandes apostas da euro região [Galiza/Norte de Portugal], que os altos e baixos da política, mas sobretudo das fraquezas da economia e das finanças públicas portuguesas comprometeram”.

Comments are closed.