A Carris vai testar em Lisboa, entre Outubro e Janeiro, o e.City  Gold, autocarro 100% eléctrico desenvolvido pela CaetanoBus.

e-city-gold-caetanobus

 

“Vamos testar [o autocarro] em duas linhas que são emblemáticas na cidade: a 706, que é uma linha circular que faz Cais do Sodré, Santos, Rato, Avenida da Liberdade, Conde Redondo, Estefânia, Praça do Chile e acaba em Santa Apolónia; e a 758, que é uma radial que sai do Cais do Sodré, vai até à Praça de Camões, segue até ao Rato, Amoreiras, Campolide e vai até Benfica”, informou o presidente da Carris, Tiago Farias.

Com capacidade para 88 passageiros, o autocarro eléctrico não produz dióxido de carbono nem ruído e apresenta baixos custos de energia e de manutenção. A autonomia do protótipo que será usado nas ruas de Lisboa é de 80 quilómetros e o tempo de carregamento ronda os 30 minutos.

“Tudo isto tem de ser testado para que possa funcionar em pleno numa cidade complexa como a cidade de Lisboa, com ruas muito estreitas, com uma topografia muito acentuada e com velocidades comerciais muitas vezes baixas”, observou Tiago Farias.

O responsável falava no Museu da Carris, onde foi assinado um protocolo com a CaetanoBus para a cedência gratuita de um autocarro e.city Gold, visando a realização de testes em contexto de serviço.

Falando da relação da Carris com a CaetanoBus, Tiago Farias confessou: “Só tenho pena que, desde 2009, nunca mais nos tenham fornecido. Mas a culpa não é vossa, a culpa é nossa, que nunca mais comprámos um autocarro”. Ainda assim, vincou que a empresa vai apostar numa “frota moderna e com qualidade”.

José Ramos, da CaetanoBus, referiu que, depois dos primeiros testes nas duas carreiras, “a ideia é alargar [a utilização] a outros percursos”.

Este autocarro foi lançado em Julho passado e resulta de parcerias com a Siemens (que fornece a tracção eléctrica) e instituições ligadas à Universidade do Porto. Além de Lisboa, o e.City Gold está em teste em Aveiro, Braga e Porto. Anteriormente, o protótipo foi exibido em Guimarães e Cascais.

Renovação de frotas com apoios comunitários

Presente na ocasião, o secretário de Estado adjunto e do Ambiente, José Mendes, recordou que, no âmbito do quadro comunitário Portugal 2020, haverá “financiamento para operadores privados e públicos para a renovação da frota com veículos amigos do ambiente”, tanto a gás natural como eléctricos.

Também no âmbito dos fundos comunitários prevê-se a “possibilidade de financiar sistemas de carregamento” para autocarros eléctricos, que “têm de estar estrategicamente situados”, realçou José Mendes.

A frota da Carris é composta por 70 eléctricos e 600 autocarros – dos quais apenas 40 são a gás natural -, que percorrem 30 milhões de quilómetros por ano.

Comments are closed.