A carteira de encomendas de porta-contentores cresceu em Outubro pela primeira vez desde Julho de 2008, com as novas encomendas a ultrapassarem as entregas de navios.

A carteira de encomendas de porta-contentores celulares representava, a 1 de Novembro, uma capacidade global de 3,79 milhões de TEU. Ou seja, 26,6% da actual frota, segundo a Alphaliner.

Este valor é marginalmente superior aos 3,73 milhões de TEU registados no livro de encomendas do mês passado, na sequência de um abrandamento das entregas e de uma verdadeira “enxurrada” de novos contratos.

A entrega de navios porta-contentores totalizou os 92 mil TEU em Outubro, o menor volume mensal desde Fevereiro, numa tendência que irá provavelmente agravar-se durante o trimestre, prevê a Alphaliner.

No entanto, os contratos para novos navios atingiram os 131 mil TEU em Outubro, esperando-se que mais encomendas sejam realizadas antes do final do ano.

A Alphaliner sustenta haver uma “significativa procura latente” para novos navios, com os armadores a fazerem novas encomendas após dois anos de inactividade.

A carteira de encomendas de porta-contentores tem estado em queda contínua desde Agosto de 2008, quando alcançou o pico de 6,89 milhões de TEU, sobretudo devido à quebra do mercado e à falta de financiamento.

É pouco provável que as encomendas voltem aos números de 2007, quando equivaleram a 64% da frota mundial em actividade. Mas deverão permanecer, segundo a consultora, nos 25%-30%.

Em 2011 e 2012 o crescimento da frota de navios-contentores deverá manter-se próximo dos 9,6% previstos para este ano.

Os comentários estão encerrados.