A via navegável do Douro deverá integrar o Corredor Atlântico da Rede Transeuropeia de Transportes (RTE-T), de acordo com uma proposta da Comissão Europeia.

A proposta consta de um anexo ao novo Regulamento do Mecanismo Conectar Europa (CEF, na sigla inglesa) relativo  à extensão dos corredores core da RTE-T.

No caso do Douro, a Comissão justifica a integração no Corredor Atlântico com o crescente enfoque na rede de vias navegáveis.

De facto, o Douro já integra a rede core da RTE-T, e inclusivamente já beneficiou, por duas vezes, de apoios financeiros no âmbito do CEF para a modernização da via navegável. Infelizmente, a terceira fase do projecto, a mais cara e decisiva para ampliar  o tráfego fluvial, foi até agora “chumbada”. Uma situação que poderá mudar com a integração no Corredor Atlântico.

Na sua comunicação, o Executivo comunitário justifica a proposta de extensão dos corredores da rede core da RTE-T com a intenção de melhorar a conectividade dos portos e dos projectos trans-fronteiriços.

Espanha com rede alargada

A proposta comunitária abarca 11 países. Espanha será um dos estados-membros mais “beneficiados”, com Bruxelas a aceitar todas (ou quase) as pretensões do governo de Madrid no relativo à extensão dos corredores Atlântico e Mediterrânico, e não só.

A Comissão propõe, assim, integrar nos corredores todos os portos da rede core do país vizinho que ainda estavam de fora, isto é, Tenerife, Gran Canaria, Huelva, Palma de Maiorca, Gijón e A Coruña, e também o rio Guadalquivir.

» Extension of the Trans-European Transport Network (TEN-T)

Os comentários estão encerrados.