O CEO da AP Moller-Maersk, Soren Skou, apelou aos governos para retirarem o apoio financeiro às companhias de transporte de contentores, que estarão a causar excesso de capacidade e redução dos preços médios dos fretes.

Sem apontar o dedo para qualquer nação, Soren Skou, que discursava numa conferência marítima em Singapura, afirmou que as companhias que recebem apoio estatal estão a construir navios que “não são necessários, para companhias que não são lucrativas e que não têm um modelo de negócio lucrativo”.

Recorde-se que companhias como a estatal chinesa Cosco Shipping, a sul-coreana Hyundai Merchant Marine ou a Yang Ming, de Taiwan, têm beneficiado, ao longo dos últimos anos, de financiamentos estatais a juros baixos, resgates e outros apoios.

A crítica do CEO da AP Moller-Maersk surge numa altura em que os preços dos fretes nas principais rotas está em queda, ameaçando minar a recuperação das operadoras da recente quebra, que provocou uma ampla consolidação entre operadores.

O custo do envio de um contentor da Ásia para a Europa, a maior rota comercial do mundo, está nos 600 dólares (450 euros), menos da metade dos 1 400 dólares (1154 euros) que os especialistas do sector dizem ser um valor equilibrado. Os executivos do sector indicam que a capacidade na rota é superior à procura em 20%.

A consultora Alphaliner prevê que a capacidade mundial de contentores crescerá 6% este ano, acima dos 5,1% que antecipa no lado da procura.

 

Os comentários estão encerrados.