A Portos e Caminhos de Ferro de Moçambique (CFM) processou no ano passado 26,2 milhões de toneladas, o que representa um crescimento homólogo de mais de 36%.

Nos portos foram movimentadas 19 milhões de toneladas (contra 14 milhões no exercício anterior) e a carga ferroviária atingiu os 7,2 milhões de toneladas (5,2 milhões em 2010).

O tráfego ferroviário de passageiros também aumentou perto de 15%, tendo passado de 3,5 milhões para 4,1 milhões.

Os dados foram adiantados por Rosário Mualeia, presidente da CFM, numa reunião de quadros da empresa, em Pemba, capital de Cabo Delgado.

Consequência do aumento da actividade as receitas da empresa pública cresceram 20%, para os 1,6 mil milhões de meticais (cerca de 45 milhões de euros), acrescentou aquele dirigente, citado pelo moçambicano “O País”.

Rosário Mualeia anunciou a conclusão da dragagem do canal de acesso ao porto da Beira, o que permite a entrada de navios de até de 60 mil toneladas brutas de arqueação. Paralelamente, acrescentou, foram realizados trabalhos no aterro do futuro terminal de carvão, que terá uma capacidade de até 20 milhões de toneladas/ano.

Concluídos estarão também os trabalhos de reabilitação do terminal de combustíveis do porto da Matola, visando o aumento de capacidade de manuseamento, de três milhões para oito milhões de metros cúbicos anuais. Os investimentos da CFM, segundo Mualeia, incluem a montagem do sistema de descarga de gás doméstico.

Noutra frente, a CFM está a reabilitar o ramal de Salamanga, com o objectivo de melhorar a segurança da circulação de comboios, com a ampliação dos “bypasses” de 30 para 60 vagões, o que permitirá o aumento de velocidade média, de 30 para 50 km/hora, e o aumento da capacidade de tráfego.

Comments are closed.