A chinesa Mobike, que gere sistemas de partilha de bicicletas, levantou desde o início do ano mais de 300 milhões de dólares (283 milhões de euros) para financiar a sua expansão internacional. Um dos investidores é o fundo Temasek, de Singapura.

Bike sharing - Mobike - China

A Mobike, liderada por Wang Xiaofeng, antigo funcionário da Uber, funciona através de um aplicativo móvel que permite desbloquear as bicicletas ao fazer a leitura de um código QR. Depois de utilizar o veículo, o cliente pode deixá-lo em qualquer ponto da cidade. Todas as bicicletas estão equipadas com um sistema de GPS para que possam ser localizadas.

A plataforma fornece também informações como a distância percorrida pelo utilizador ou as calorias queimadas durante a viagem.

Wang anunciou que a empresa vai usar o dinheiro para explorar o mercado global e poder assim replicar o seu modelo de negócio em outros países.

O dinheiro será investido, sobretudo, no recrutamento de pessoal, construção de fábricas e na investigação e desenvolvimento.

Segundo dados citados por Wang, as bicicletas Mobike estão já disponíveis em 21 cidades da China e os seus quase seis milhões de utilizadores realizaram até à data 200 milhões de viagens.

Em Dezembro passado, a rival Ofo, também chinesa, começou a operar nos EUA e Reino Unido.

 

Os comentários estão encerrados.