O ano passado trouxe foi particularmente difícil para o transporte marítimo de contentores, mas alguns indicadores revelam que o sector começou, finalmente, a fazer o trabalho de casa para melhorar a situação, nota a Clarksons Research.

cma-cgm-bougainville

A consultora britânica salienta que os preços médios dos fretes continuaram num valor baixo em 2016 e que o índice SCFI (Shanghai Containerised Freight Index) registou uma média 18% inferior à do ano anterior. Porém, sublinha, no final do ano as tarifas spot deram sinais de recuperação em algumas rotas.

Além disso, nos 12 meses de 2016 a procura cresceu 3%, para 181 milhões de TEU, segundo a mesma fonte. Ao passo que o crescimento da capacidade instalada do sector abrandou face a 2015, aumentando somente 1,2%. As entregas de novos navios caíram para 900 mil TEU (contra 1,7 milhões de TEU em 2015) e o envio de navios para abate atingiu um volume recorde de 700 mil TEU.

A Clarksons Research avisa, contudo, que “a melhoria do equilíbrio entre a procura e a oferta observado no ano passado não foi suficiente para gerar melhorias significativas nas condições de mercado”, já que a frota inactiva era ainda de 7% no fim de 2016.

“Mais recalibrações parecem ser necessárias para melhorar os mercados”, refere o relatório da consultora, que acredita, porém, que o sector pode, em 2016, ter criado os alicerces para um futuro melhor.

 

Comments are closed.