Na apresentação dos resultados (muito positivos) de 2014, a CMA CGM confirmou a encomenda de três porta-contentores de 20 600 TEU e não descartou a possibilidade de voltar às compras… de outras companhias.

CMA CGM

Os três navios de 20 600 TEU serão construídos nos estaleiros da Hanjin Heavy Industries para serem entregues no terceiro trimestre de 2017. O valor do negócio não foi divulgado, nem as características técnicas dos navios. Certo é que, ao contrário dos encomendados pela UASC (parceira na Ocean Three), não estarão preparados para utilizar o GNL como combustível.

Ainda este ano, a companhia gaulesa prevê receber seus navios de 18 000 TEU, entre várias outras unidades.

O aumento de capacidade visa responder ao aumento da procura, que a CMA CGM antecipa continuar a crescer a 5%. No ano passado, os volumes transportados cresceram 8,1%, de 11,3 milhões para 12,1 milhões de TEU).

Também em 2014, as receitas da CMA CGM cresceram 5,3%, de 15, mil milhões para 16,7 mil milhões de dólares. Mas o salto mais espectacular aconteceu nos lucros consolidados: dispararam 43%, de 428 milhões para 584 milhões de dólares. Sendo que os números de 2013 foram influenciados pela venda de 49% da operadora portuária Terminal Link.

Em 2015, a CMA CGM aposta em continuar a crescer em volumes e em resultados operacionais, nomeadamente com o contributo da aliança Ocean Three. Mas Jacques Saadé não exclui novas aquisições de companhias. O processo da OPDR está em vias de finalização e o próximo alvo poderá ser de maior dimensão.

Comments are closed.