O sector do transporte marítimo de contentores já passou por várias fusões e aquisições que aumentaram a concentração, mas o processo ainda vai continuar, prevê a Clarksons Research.

2017-02-10_upload_4339811_SIW-1259

A consultora indica que, no início deste ano, os 5 154 porta-contentores da frota mundial eram propriedade de 622 armadores, a uma média de oito navios por proprietário, operados por 326 companhias, ou cerca de 16 por transportador. Cada um dos maiores oito operadores tinha em frota mais de 100 navios.

Do ranking das 20 maiores companhias no final de 2014, quatro desapareceram. A CSAV foi comprada pela Hapag-Lloyd, a NOL/APL pela CMA CGM e as duas maiores companhias chineses fundiram-se. Além disso, a Hanjin Shipping colapsou no último Verão.

A Clarksons Research indica que a tendência de consolidação vai manter-se e recorda que estão na “forja” a finalização da fusão da Hapag-Lloyd com a UASC e que a aquisição da Hamburg Süd pela Maersk Line também só está à espera de aprovação pelas autoridades.

No segundo semestre de 2016, as três maiores companhias do Japão anunciaram a intenção de fundirem a operação de contentores. O acordo deverá ser fechado este ano e a operação conjunta arrancar em 2018.

Tendo em conta este cenário, a consultora prevê que as dez maiores companhias de transporte marítimo de contentores terão uma quota de mercado conjunta de 79%, o dobro de há 20 anos.

 

 

 

 

 

Comments are closed.