Mais um revés nos planos de fusão dos negócios de transporte marítimo de contentores das japonesas K Line, NYK e MOL. Agora foi a Comissão de Concorrência da África do Sul a rejeitar a operação.

k-line-2

A autoridade sul-africana alega que o acordo incentivaria o comportamento anti-concorrencial no mercado do transporte marítimo de contentores, bem como no segmento dos car-carriers (apesar de este não integrar a fusão). Nesta última área de negócio, as três companhias nipónicas enfrentaram, aliás, no passado, multas das autoridades sul-africanas por práticas de cartelização.

O não da África do Sul junta-se so “nim” da Comissão Federal Marítima dos EUA, que no mês passado se declarou incompetente para apreciar a fusão proposta, indicando que essa decisão fica fora de sua jurisdição.

Juntas, a NYK, a K Line e a MOL controlam uma capacidade de 1,4 milhões de TEU, o que lhes garante que permaneçam competitivas num mercado em acelerada consolidação.

A Ocean Network Express (ONE) tem o  início das operações previsto para 1 de Abril de 2018. Fica por saber em que medida mais este escolho atrasará aquele calendário.

 

 

 

 

Comments are closed.