O concurso para a compra de 22 comboios para a CP foi impugnado e arrisca um atraso “relevante”, anunciou o ministro das Infraestruturas, no Parlamento.

“Relativamente ao contrato que foi feito para aquisição de novo material circulante, 22 comboios, ele foi alvo de impugnação de um concorrente”, adiantou o governante. Segundo Pedro Nuno Santos, aguarda-se, agora, que o tribunal decida se dá seguimento à providência cautelar interposta por um dos concorrentes ao concurso.

“Se for dado seguimento à providência cautelar, nós vamos ter um atraso relevante”, acrescentou o ministro.

O governante falava na audição conjunta nas comissões parlamentares de Orçamento e Finanças e de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, no âmbito da apreciação na especialidade do Orçamento do Estado para 2020 (OE2020).

O concurso para a compra de 22 comboios para a CP – 12 unidades automotoras bimodo (eléctrico e diesel) e 10 unidades automotoras eléctricas -, no valor de 168 milhões de euros, foi lançado em Janeiro do ano passado.

This article has 1 comment

  1. Pelo “andar da carruagem” este Pedro Nuno Santos ainda vai deixar menos obra que o ridículo Pedro Marques, ou seja, 2 Pedros juntos não fazem o trabalho de 1 normal, lá para 2030 o PDR 2020 está terminado era óptimo acabar 10 anos atrasados vai lá vai