O porto de Sines movimentou no primeiro trimestre 13,5 milhões de toneladas, mais 19,6% do que no período homólogo de 2016. O movimento de contentores subiu 60% e ficou perto do meio milhão de TEU.

Sines - Terminal XXI

Um dia depois de ser oficial que Sines cresceu 30,4% nos dois primeiros meses do ano, o porto alentejano anunciou uma subida de 19,6% nos movimentos nos primeiros três meses. Sinal de que o ritmo abrandou em Março? Seguramente não nos contentores.

Entre Janeiro e Março, o Terminal XXI processou mais de 494 mil TEU, um disparo homólogo de 60% (mais que os 56% registados no final de Fevereiro).

Em linha com a movimentação de contentores, a carga geral (contentorizada) atingiu em Sines, no balanço do trimestre, os 6,3 milhões de toneladas. E ultrapassou os granéis líquidos (líderes históricos) que apenas acrescentaram 5% aos cerca de 5,4 milhões de toneladas registados há um ano.

A administração portuária não divulgou os números relativos aos granéis sólidos, mas feitas as contas conclui-se que terão ficado cerca dos 1,5 milhões de toneladas (no primeiro trimestre de 2016 contaram-se 1,8 milhões).

Sines mais perto do pódio ibérico

O crescimento exponencial de Sines acontece num momento em que Algeciras e Valência, os principais portos espanhóis, sofrem as consequências da instabilidade laboral. Mas não se explicará apenas pelas dificuldades alheias.

Barcelona, o número três ibérico, tem sido dos principais beneficiados com a transferência de escalas e movimentos dos portos mais afectados pela crise da estiva. E, todavia, no primeiro trimestre “apenas” cresceu 34,2% (os movimentos de transhipment mais do que duplicaram) até aos 662 mil TEU.

Facto é que com esta performance Sines e o Terminal XXI ficaram mais perto, no final do primeiro trimestre, do pódio ibérico dos terminais de contentores.

Os comentários estão encerrados.