Em Abril, o movimento de contentores nos portos nacionais voltou a crescer, após longos meses de jejum, e logo 15,1%, com Sines e Setúbal em destaque.

No total, em Abril movimentaram-se 236 167 mil TEU. Em Sines contaram-se 134 285, num crescimento homólogo de 43,9%, alavancado pelos tráfegos de transhipment, mas com um contributo cada vez maior do hinterland. Setúbal também cresceu e muito – 44,9% -, mas a dimensão é ali outra, com 17 436 TEU.

A crescer continuou Leixões, que em Abril somou 61 708 TEU (mais 3,8%) em termos homólogos. Ao invés, Lisboa continuou a sua descida, com um afundanço de 45,5% e apenas 20 980 TEU processados.

Na Figueira da Foz movimentaram-se 1 759 TEU (menos 9,4%).

Leixões e Setúbal com recordes

No acumulado dos quatro primeiros meses do ano, Leixões atingiu os 245 804 TEU, a sua melhor marca de sempre para o período em causa, com um crescimento homólogo de 6,9%. Igual proeza conseguiu Setúbal, a subir 4,2% e a contar 52 112 TEU.

Todos os demais portos fecharam o quadrimestre no vermelho, mas com profundas diferenças entre si. Fruto do salto de Abril, Sines já só perde 2,7% face ao período homólogo de 2019 e passou a acumular 514 871 TEU. Nos antípodas, Lisboa cai 36,9%, com uns magros 91 665 TEU.

Com uma expressão residual, a Figueira da Foz ficou-se pelos 6 461 TEU, menos 11% do que há um ano.

This article has 2 comments

  1. Olhando para a % dá ideia que Lisboa se transferiu para Setúbal com medo do vírus mas Não, a verdade é que Lisboa vai mesmo falência por culpa e Costa & Santos tão amigos dos comunistas do SEAL, vergonha

  2. O virus neste caso não é o CORONA é o SEAL !!!