O movimento de contentores em Leixões fechou o ano na casa dos 615 mil TEU. A concessionária reconhece a quebra mas sublinha o impacte de Angola e o facto de continuar a operar próximo do limite da capacidade do terminal.

TCL

Pelo quarto consecutivo a TCL superou a fasquia dos 600 mil TEU, mas 2015 foi o pior dos últimos quatro anos no terminal de contentores de Leixões. Face a 2014, a quebra homóloga foi de 6,7%.

A primeira explicação para o resultado – que representa a primeira interrupção “real” da tendência de crescimento iniciada com a concessão, em 2000 – dá pelo nome de Angola. As exportações para aquele país – um dos principais destinos de Leixões – sofreram uma forte travagem e disso se ressentiu a movimentação de contentores, quer cheios quer vazios.

Ainda assim, destaca a concessionária, foi possível amortecer as perdas com a captação e fixação de novos tráfegos.

Leixões, sublinham da TCL, mantém-se como quinto porto ibérico na movimentação de contentores, sendo que os que o precedem no ranking têm uma forte exposição ao mercado de transhipment, praticamente inexistente no porto nortenho.

TCL continua no limite

Ainda assim, o terminal de contentores de Leixões continua a operar muito perto do seu limite de capacidade. Como o próprio presidente da APDL reconheceu recentemente, não fora esta quebra de actividade e viver-se-ia uma situação de congestionamento permanente.

Enquanto tarda a formalização do acordo para a ampliação do terminal de contentores Sul, a TCL continua a utilizar o terminal Multiusos e são cada vez mais frequentes os dias em que opera 24/24 horas a pedido dos armadores, com isso agilizando o fluxo das mercadorias.

Tal como o TRANSPORTES & NEGÓCIOS avançou em primeira mão, o acordo para a expansão do terminal já está fechado entre a APDL e a TCL. A concessionária investirá cerca de 40 milhões de euros no terminal Sul e em troca receberá mais cinco anos de concessão.

Comments are closed.