A Cornelder de Moçambique garantiu mais 15 anos de concessão do porto da Beira, em Moçambique, contra um investimento de 290 milhões de dólares.

O governo de Moçambique decidiu prolongar por 15 anos a concessão do porto da Beira à Cornelder de Moçambique, a partir de 2023, ano em que terminam os 19 anos do prazo da concessão ainda em curso, informou a porta-voz do Conselho de Ministros e vice-ministra da Cultura.

A Cornelder de Moçambique é uma parceria entre a Portos e Caminhos-de-Ferro de Moçambique e a Cornelder Holland, que opera os terminais de contentores e de carga geral do porto da Beira, capital da província de Sofala, desde Outubro de 1998.

A porta-voz Ana Comoana, citada pela “AIM”, adiantou que “o alargamento do contrato com a Cornelder de Moçambique foi determinado pelo compromisso da empresa em realizar um investimento adicional imprescindível para o aumento da capacidade do porto da Beira.”

O plano de investimentos, num montante de 290 milhões de dólares, contempla o aumento da capacidade do porto, dos actuais 300 mil para 700 mil contentores, e de 750 mil para 1,2 milhões de toneladas de carga geral.

Além disso, a Cornelder de Moçambique assumirá a reparação de 300 quilómetros da EN 6, da Beira até Machipanda, na fronteira com o Zimbabué, bem como de 317 quilómetros da linha de
caminho-de-ferro Beira-Machipanda.

 

Os comentários estão encerrados.