Até ao final da década, um corredor ferroviário de 1 300 quilómetros dedicado ao tráfego de mercadorias ligará os principais portos da costa Sul de Espanha à fronteira francesa.

O chamado Corredor do Mediterrâneo é uma das maiores apostas do governo espanhol no transporte mediterrâneo. Objectivo: criar uma “espinha dorsal” ferroviária para uma região que concentra quase metade da população do país e concentra cerca de 40% do PIB.

Os investimentos agora anunciados ascendem a 53 mil milhões de euros e visam criar um corredor de Alta Velocidade dedicado ao tráfego de passageiros entre Algeciras e a fronteira, e uma rede básica de mercadorias, em bitola europeia e bitola ibérica, electrificada e capaz de acolher comboios de até 750 metros, entre a fronteira francesa e Almeria. Entre Almeria e Algeciras serão realizados estudos para um novo traçado.

No relativo às mercadorias, o objectivo é duplicar a quota de mercado da ferrovia e potenciar o país como uma imensa plataforma logística, ligando os portos de Algeciras, Cartagena, Vaência, Tarragona e Barcelona à fronteira francesa, e também os aeroportos de Málaga, Alicante, Valência e Barcelona.

Do investimento previsto, cerca de 8,4 mil milhões de euros já foram aplicados. A médio prazo, o Ministério do Fomento investia 16 mil milhões na infra-estrutura, 2,1 mil milhões em pólos logísticos e 600 milhões nos acessos aos portos. Haverá ainda 6,7 mil milhões de euros de investimento na integração urbana, a serem repartidos com outras administrações.

Do “bolo” total, 13,9 mil milhões de euros estão ainda reservados para actuações em estudo.

Os comentários estão encerrados.