A concretização dos nove corredores “core” da Rede Trans-Europeia de Transportes (RTE-T) implicará um investimento de 700 mil milhões de euros até 2030.

RTE-T

A conclusão resulta dos estudos realizados sobre cada um dos corredores pelos respectivos coordenadores e por especialistas externos, cujos relatórios foram agora publicados pela Comissão Europeia.

Os nove estudos realizados fixaram para cada corredor o seu estado da arte e as necessidades de desenvolvimento das infra-estruturas, partindo de uma grelha de análise comum a todos eles e a todos os meios de transporte.

Para fazer face a um tamanho esforço financeiro, o Executivo de Bruxelas propõe-se combinar os fundos do Connecting Europe Facility (CEF), para o período de 2014-2020, com os do Plano de Investimento proposto pelo presidente da Comissão e avaliado em 315 mil milhões de euros.

Em comunicado emitido a propósito, a comissária europeia dos Transportes, Violeta Bulc, sublinhou a importância de garantir a operacionalidade da rede core no horizonte 2030, para garantir a fluidez de pessoas e mercadorias e para garantir o desenvolvimento do mercado único europeu.

Os resultados dos estudos serão tidos em conta na avaliação das propostas de investimentos a apresentar pelos estados-membros ao financiamento do CEF.

Até à próxima Primavera, os coordenadores de cada corredor terão de apresentar planos de acção ao Parlamento Europeu, Conselho e Comissão Europeia. Pela mesma altura, o ex-vice-presidente da Comissão, Henning Christophersen e os coordenadores de corredores, Kurt Bodewig e Carlo Secchi estão mandatados para seleccionar e propor os projectos capazes de serem incluídos no Plano de Investimento Europeu.

Tags:

Os comentários estão encerrados.