O Conselho de Estado da Grécia, como é denominado o Supremo Tribunal Administrativo do país, “congelou” o concurso para um novo terminal de cruzeiros no porto do Pireu proposto pela Cosco.

Planos da Cosco para o Pireu não seduzem os gregos

A decisão de sexta-feira representa mais um revés no plano de investimentos preconizado pela Cosco Shipping para a Autoridade Portuária do Pireu (APP), desde que, há dois anos, comprou uma posição maioritária no porto que serve Atenas.

Com efeito, este chumbo surge no meio de sinais de crescente incompatibilidade entre as culturas empresariais grega e chinesa. Os planos de investimento tropeçaram no processo de licenciamento e em crescentes objecções,  principalmente da parte de grupos com interesses adquiridos no porto do Pireu quando esta era estatal.

O Ministério das Infra-estruturas e Transportes recusou-se a conceder uma licença à APP para a anexação pelo porto de um terreno de 90 mil metros quadrados pertencente à antiga Organização de Gestão de Propriedade Pública para a criação de instalações logísticas.

O Ministério alegou que iria fazer concorrência à zona logística de Thriasio, um terço da qual foi concedida a um consórcio privado, com o resto a ter lançamento de concurso previsto para breve.

Além disso, a solicitação da APP para uma licença para instalar um estaleiro foi rejeitada pelo Ministério da Economia, após fortes reacções dos empreiteiros e pequenos estaleiros gregos que temiam a concorrência os “atirasse” para fora do mercado.

Embora a privatização da APP e a concessão de 35 anos concedida à Cosco para operar os terminais de contentores II e III tenham sido saudadas, Fu Cheng Qiu, director-geral do Piraeus Container Terminal (PCT), subsidiária grega da Cosco, queixou-se repetidamente do atraso do governo em dar permissão para ao plano de investimento.

Este tem dois pilares: os projectos obrigatórios e um programa de investimento voluntário, onde se incluem o novo terminal de navios de cruzeiros, um centro comercial e quatro hotéis cinco estrelas no porto.

Sob gestão da Cosco, a APP tem crescido e é, hoje, o 37.º porto mundial e o terceiro do Mediterrâneo em termos de movimentação de contentores. O plano de investimento tem como objectivo aumentar ainda mais essa importância, mas parece não estar a seduzir as autoridades gregas.

 

Comments are closed.