A chinesa Cosco Shipping Ports (CSP) “apoiou-se” nas alianças e na sua casa-mãe para fechar o primeiro trimestre de 2018 com 27,2 milhões de TEU movimentados.

Este volume é 38% superior aos 19,8 milhões de TEU do período homólogo do ano passado.

A China, que continua a representar a maior parte (79%) dos tráfegos do grupo, aumentou os volumes em 38%, para 21,3 milhões de TEU, durante o primeiro trimestre.

No que se refere aos terminais internacionais da CSP, incrementaram os volumes em 36% no período de Janeiro a Março, para 5,9 milhões de TEU. Entre estes, o grego Piraeus Container Terminal registou um aumento das escalas das alianças Ocean Alliance e THE Alliance e viu os volumes subirem 20%, para alcançarem a marca de um milhão de TEU.

Voltando aos terminais da companhia no mercado doméstico da China, a região de Bohai Rim recuperou e representou 33% do total do grupo (contra 18% no trimestre homólogo de 2017). Em termos de volume, isso significou 8,9 milhões de TEU em 2018, contra 2,6 milhões de TEU há um ano.

O delta do rio Yangtze garantiu 17% do total da CSP e atingiu 4,6 milhões de TEU no primeiro trimestre, ligeiramente abaixo do esperado devido à pausa do Ano Novo Lunar e aos prolongados dias de nevoeiro nos terminais de contentores de Shanghai Mingdong, de acordo com a companhia.

A Costa Sudeste da China registou o segundo maior crescimento do grupo no primeiro trimestre, subindo 27% para 1,4 milhões de TEU, embora tenha representado apenas 5% dos volumes totais.

A região do delta do rio das Pérolas, por seu turno, aumentou os volumes em 6% no primeiro trimestre de 2018, para 6,2 milhões de TEU.

Entretanto, o aumento das escalas da Ocean Alliance – tanto da Cosco Shipping como da CMA CGM, dona da APL – ajudou à subida de 67% dos volumes processados no terminal Cosco-PSA, em Singapura, para 788 240 TEU.

 

Comments are closed.