A CP poderá gastar até 3,5 milhões de euros no aluguer de mais seis a dez comboios à espanhola Renfe, elevando a factura total para os 10,5 milhões anuais. Comboios novos, só “daqui a três ou mais anos”.

CP precisa de alugar mais 6 a 10 comboios a Espanha

Após uma visita às oficinas de Campolide, em Lisboa, Carlos Nogueira, presidente da CP, recordou que a transportadora já paga actualmente sete milhões por ano aos espanhóis por 20 unidades, alugadas ao preço de 350 mil euros cada.

Considerando esse preço de referência e a intenção/necessidade da CP de alugar entre seis e dez comboios mais, o custo da nova operação poderá chegar aos 3,5 milhões de euros/ano.

Os novos comboios serão alugados pelo “tempo que for necessário para [chegarem] as novas composições, [a adquirir] no âmbito do concurso internacional que irá ser aberto”.

Sobre o concurso, o presidente da CP sublinhou a necessidade de cumprir os aspectos burocráticos dos processos, e lembrou a “carteira muito robusta” de encomendas dos fabricantes de comboios, pelo que a “CP vai entrar na fila” para receber os seus, quando os adjudicar. “Daqui a três ou mais anos temos comboios [novos]”, acrescentou.

Durante esse período “importa reforçar o aluguer, que tem de ser com Espanha,que tem bitola ibérica” e é o único país que disponibiliza comboios a ‘diesel’, já que, “cerca de um terço da infra-estrutura” portuguesa está por electrificar, referiu ainda.

Carlos Nogueira sublinhou a importância de reforçar a componente da manutenção e reparação dada a vetustez do material circulante. “Temos material diesel, temos composições a fazer serviço com 62 anos e temos o nosso diesel restante com 50 e poucos anos. É muito tempo e exige uma manutenção permanente e contínua”, notou, afirmando que os “problemas não são de hoje”.

Os comentários estão encerrados.