Os credores da Auto-Estradas do Douro Litoral (AEDL) assumiram hoje as participações sociais da concessionária das auto-estradas A32, A41 e A43, anunciou a empresa em comunicado. O Estado tem ainda de pronunciar-se.

“Em 24 de Janeiro de 2019 as participações sociais da concessionária AEDL foram transferidas para um conjunto de credores liderado pelos fundos de investimento geridos ou assessorados pela Strategic Value Partners LLC e suas afiliadas (“SVPGlobal”) e Cross OceanAdviser LLP e as suas afiliadas (“Cross Ocean Partners”)”, lê-se na nota da AEDL.

A Douro Litoral era até hoje controlada pela Brisa.

Os novos accionistas adquiriram no mercado dívidas da Brisa e, como não tenha havido acordo entre as partes, decidiram exercer a opção de assumirem as participações sociais da empresa.

À Douro Litoral poderá seguir-se a Brisal, pelos mesmos motivos, embora aí o processo se afigure mais complexo. A empresa é concessionária da A17, numa distância de 93 km entre Marinha Grande e Mira.

Em causa estarão dívidas globais de 1,6 mil milhões de euros, que os actuais credores terão adquirido por 300 milhões e pelas quais pretenderão receber agora cerca de 750 milhões de euros.

O comunicado hoje emitido nota que a Douro Litoral “tem incumprido as suas obrigações de pagamento de reembolsos de capital, juros, custos e comissões dos seus contratos financeiros, devido a uma estrutura de custos
elevados e níveis de tráfego que estão abaixo das expectativas originais”.

A Brisa ainda não comentou, mas recentemente um seu administrador lembrou que as concessões pertencem ao Estado, que terá de pronunciar-se sobre as alterações accionistas nas concessionárias.

Mudanças na liderança

Entretanto, os novos accionistas nomearam para presidente do Conselho de Administração Andy Pearson, ex-CEO da auto-estrada com portagem M6, no Reino Unido, e antigo director da auto-estrada com portagem SH 130, no Texas, EUA.

Como director-geral está José Custódio dos Santos, ex-CEO da MSF Concessões e CEO da Auto-Estradas do Atlântico e Auto-Estradas do Litoral Oeste.

Citado no comunicado, Andy Pearson indicou que a AEDL é “um óptimo activo, com perspectivas futuras fantásticas”. Já José Custódio referiu que a nova estrutura accionista “proporciona à concessão uma base financeira fortalecida que garantirá o seu futuro”.

A AEDL foi concessionada à Brisa em 2007, por 27 anos, e foi “alvo de um investimento de cerca de 1.000 milhões de euros”, segundo informação da página da internet da Brisa.

Quem são os novos accionistas

 

A SVPGlobal é um “investidor financeiro global especializado em melhorar o desempenho de investimentos em dificuldades (“distressed debt”), tendo aproximadamente 8 mil milhões de dólares em activos sob gestão”.

A Cross Ocean Partners é uma plataforma de gestão de créditos e activos e assessora activos de 3,1 mil milhões de dólares globalmente e os seus fundos e contas angariaram aproximadamente 4,4 mil milhões de dólares em capital
subscrito até o momento.

 

Comments are closed.